segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Los matrimonios del mismo sexo y la Iglesia Por el padre John Flynn, L. C.; traducción de Justo Amado

Zenit, domingo, 26 de octubre de 2008


Roma — El matrimonio parece seguir estando en el centro del debate en Estados Unidos. El Tribunal Supremo de Connecticut ha dictaminado que las parejas del mismo sexo tienen derecho a casarse, informaba Associated Press, el 10 de octubre. La sentencia hace de este estado el tercero, tras Massachusetts y California, en legalizar las uniones del mismo sexo.

En Connecticut, una declaración de los obispos católicos expresaba su consternación ante la decisión que impone el matrimonio del mismo sexo por vía judicial. También mostraron su preocupación de que la decisión llevaría a infringir la libertad religiosa. Esta preocupación es precisamente el tema de un libro publicado hace poco sobre el tema de los matrimonios del mismo sexo.

Douglas Laycock, Anthony R. Picarello Jr., y Robin Fretwell Wilson publicaba una recopilación de textos de eruditos en derecho en un forum financiado por el Becket Fund for Religious Liberty. En el libro Same Sex Marriage and Religious Liberty: Emerging Conflicts (Matrimonio del Mismo Sexo y Libertad Religiosa: Conflictos Emergentes” (Rowman and Littlefield), los colaboradores explicaban qué tipo de conflictos pueden tener lugar al establecerse el derecho al matrimonio del mismo sexo.

En su aportación, Marc D. Stern, director adjunto del Congreso Judío Americano, apunta que las instituciones religiosas tienen el deber de “extender la fe” tanto entre sus creyentes como entre otros. “¿Se podrá seguir hablando sin restricciones contra el matrimonio del mismo sexo?”, preguntaba.

Stern observaba que, ya en Canadá, las quejas aceptadas en las comisiones provinciales y federales de derechos humanos han llevado a sentencias contra ministros y otros que han criticado públicamente la homosexualidad.

Instituciones católicas

Stern también planteaba la cuestión de qué ocurrirá con los empleados de las agencias e instituciones de la Iglesia. Las últimas sentencias de los tribunales han obligado a las instituciones católicas a proporcionar cobertura sanitaria para anticonceptivos, de manera que podrían aumentar los problemas para las iglesias cuando se trate de empleados que entren en matrimonios del mismo sexo.

Las agencias de asesoría matrimonial, las clínicas psicológicas y otros servicios similares ofrecidos por las iglesias, pueden tener dificultades a la hora de obtener licencias del gobierno, si adoptan una postura en contra del matrimonio del mismo sexo, advertía Stern. Además, muchas agencias de la iglesia reciben financiación del gobierno, lo que podría ponerles en dificultades si se oponen al matrimonio del mismo sexo.

Stern concluía su escrito diciendo que quienes se oponen al matrimonio del mismo sexo se verán afectados si éste se legaliza y, basándose en las actuales leyes, hay grandes dudas de que quienes disientan sean capaces de escapar a las consecuencias legales.

Charles J. Reid, Jr., profesor de derecho en la Universidad de St. Thomas, reflexionaba sobre la relación entre la religión, el derecho y el estado. Sostenía que el derecho enseña valores a través de comportamientos que sanciona y otros que prohíbe.

El matrimonio, observaba Reid, ha sido ahora desacralizado, pero al hacerlo hemos acabado teniendo un extendido divorcio y un alta incidencia de nacimientos fuera del matrimonio.

Sínodo propõe maior participação feminina

O Estado de S. Paulo, domingo, 26 de outubro de 2008


AFP

O sínodo dos bispos católicos que acaba hoje, no Vaticano, propôs uma maior participação das mulheres na leitura da Bíblia durante a liturgia. Prelados do mundo inteiro, reunidos desde o dia 5, consideraram “desejável que o ministério do leitorado também esteja aberto às mulheres, para que a comunidade cristã reconheça o seu papel no anúncio da Palavra”. As mulheres já realizam leituras nas missas, mas não fazem isso como um ministério oficial. O tema do sínodo foi a Bíblia.

Il laicismo fondamentalista minaccia l’America di Mary Ann Glendon

L’Osservatore Romano, 29 ottobre 2008


Per affrontare i temi della religione e della libertà, non è possibile cominciare senza rendere omaggio a Tocqueville. Dopo la sua visita negli Stati Uniti nel 1831, diceva: “Tutti quelli che amano la libertà dovrebbero affrettarsi a chiamare la religione in loro aiuto. Poiché dovrebbero sapere che non si può stabilire il regno della libertà senza quello dei buoni costumi, né creare buoni costumi senza la fede”.

Oggi è molto interessante notare che queste proposte di Tocqueville sono anche temi centrali nei recenti discorsi di Papa Benedetto XVI. Come americana, confesso che ho sentito una certa fierezza la prima volta che ho ascoltato il Santo Padre lodare il modo americano di organizzare i rapporti tra lo Stato e la religione. Sua Santità ha detto che questo modello (che chiama “un concetto positivo di laicità”) — non solamente permette la coesistenza pacifica tra molte religioni, ma permette loro anche di prosperare.

Durante il suo viaggio a Washington in aprile, il Papa ha trovato “affascinante” il fatto che i padri fondatori americani avessero volutamente creato uno stato laico — non perché erano ostili alla religione, ma “per amore della religione nella sua autenticità che può essere vissuta solo liberamente”. Poi, il Pontefice ha sottolineato che gli americani non esitano “ad introdurre nei loro discorsi pubblici ragioni morali radicate nella fede biblica”.

Il Papa ha descritto l’America come un paese “dove la dimensione religiosa, nella diversità delle sue espressioni, è non soltanto tollerata, ma apprezzata come l’anima della nazione e come una garanzia fondamentale dei diritti e doveri umani”.

Ma, come coloro che conoscono il pensiero di Papa Benedetto hanno già capito, queste parole cortesi erano accompagnate da altre parole, parole di avvertimento. Il Papa è un osservatore troppo acuto per non aver notato che c’è una lotta tra coloro che si sforzano di mantenere il laicismo positivo e coloro che sperano di sostituirlo con il genere di laicità che egli ha lungamente deplorato.

Per quanto riguarda i rapporti tra chiese e stato, la legittimità di ogni forma di cooperazione tra le chiese e gli stati è stata oggi posta in dubbio. Quindi gli ospedali, le scuole, ed i diversi servizi sociali che sono affiliati alle istituzioni religiose si trovano a dover affrontare scelte difficili. Nel Massachusetts, per esempio, nel 2006, Catholic Charities ha dovuto abbandonare il proprio impegno nel settore dell’adozione dopo che lo Stato ha ordinato loro di permettere l’adozione anche a persone omosessuali. Le pressioni sulle organizzazioni a sacrificare i propri principii evidentemente sono forti.

La migliore descrizione della situazione giuridica attuale è probabilmente quella del professore Philip Hamburger (autore di un libro magistrale sulla storia della libertà religiosa negli Stati Uniti): “Il primo emendamento, originalmente disegnato a limitare il governo, è stato interpretato dalla Corte in modo crescente a limitare la religione ed a confinarla nella sfera privata”. Questa interpretazione — basata su un concetto molto individualistico della libertà — ha per effetto di limitare la libertà religiosa di molte persone — persone per le quali la comunità del culto è importante.

Naturalmente, ci sono eccezioni a queste tendenze. Ma non è un’esagerazione dire che, nella situazione attuale, il “modello positivo” di laicità sta lottando per la sua vita.

È forse adesso per voi più chiaro per quale motivo ho dovuto ri-esaminare la mia reazione iniziale alla lode che il Papa Benedetto ha benevolmente rivolto al “modello americano”. È meglio, penso, vedere le sue parole di lode come elementi di una saggia strategia pastorale. Il Papa ha provato a farci ricordare le cose migliori delle nostre tradizioni, ed incoraggiarci a ricuperare la nostra eredità. Quello che da prima sembrava essere una lode era in realtà un’esortazione!

El amor es ‘el motor’ de La transformación social dice el Papa

ACI, domingo, 19 de octubre de 2008

Vaticano — El Papa Benedicto XVI partió en helicóptero hacia el Santuario de la Virgen de Pompeya para celebrar la Santa Misa y recordar en su homilía que el Rosario es el vínculo espiritual con María para permanecer unidos a Jesús.

El Santo Padre meditó sobre la figura de María en los inicios de la comunidad cristiana: “Desde sus inicios, la comunidad cristiana vio en la personificación de Israel y de Jerusalén en una figura femenina un significativo y profético dirigirse hacia la Virgen María, quien justamente es reconocida cual ‘hija de Sión’ y arquetipo del pueblo que ‘encontró gracia’ a los ojos del Señor”.

“Es una interpretación que encontramos en la narración de las Bodas de Caná. El evangelista Juan hace notar en modo simbólico que Jesús es el esposo de Israel, que ha venido a traer la gracia de la Nueva Alianza, representada por el ‘vino bueno’. Al mismo tiempo resalta también el rol de María, que es llamada desde el inicio ‘madre de Jesús’, pero que después el mismo Hijo llama ‘mujer’, anteponiendo a la parentela el vínculo espiritual según el cual María personifica la esposa amada del Señor, es decir el pueblo que escogió para irradiar su bendición sobre toda la familia humana”, explicó el Papa.

“La característica de la civilización cristiana — ­continúo Su Santidad — es la caridad: el amor de Dios que se traduce en amor al prójimo”.

Al terminar su homilía el Papa destacó la importancia del rezo del Rosario: “Es una oración contemplativa accesible a todos: grandes y pequeños, laicos y clérigos, cultos y poco instruidos. Es el vínculo espiritual con María para permanecer unidos a Jesús, para conformarse con Él, asimilar sus sentimientos y comportarse como Él se ha comportado. El Rosario es ‘un arma’ espiritual en la lucha contra el mal, contra toda violencia, por la paz en los corazones, en las familias, en la sociedad y en el mundo”.

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Frei Galvão recebe título de engenheiro


 O Estado de S. Paulo, quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Emilio Sant’Anna

O primeiro santo brasileiro agora vai colar grau. No dia 25, ao meio-dia, na Capela do Mosteiro da Luz, em São Paulo, São Frei Galvão vai se tornar o primeiro brasileiro a receber o título Honoris Causa de Engenheiro e Arquiteto, do Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Estado de São Paulo (Crea-SP).

Desde 2000, o santo é o patrono da construção civil brasileira por ter erguido — no início do século 18 — o Mosteiro da Luz. Ele foi o projetista, empreiteiro, pedreiro, servente, mestre-de-obras, engenheiro e arquiteto do prédio, que hoje é considerado patrimônio histórico da humanidade pela Unesco.

“Com toda a técnica da engenharia de hoje, ele faria muitas outras coisas”, diz o padre Armênio Rodrigues Nogueira, capelão do mosteiro. Ele receberá o título em nome de Frei Galvão.

Cerca de 600 pessoas são esperadas para a cerimônia em que o padre receberá o título das mãos do presidente do Crea. Um telão será instalado na porta da capela para quem não conseguir entrar. Mas, para quem perder, padre Armênio avisa que durante todo o dia as missas ocorrerão de duas em duas horas.

Tensão leva cristãos indianos a conversão

Folha de S. Paulo, sábado, 18 de outubro de 2008

O recrudescimento das tensões entre hindus e cristãos no leste da Índia está levando centenas a se converter ao hinduísmo, religião largamente majoritária no país. O agravamento da situação levou o premiê Manmohan Singh a alertar, na última segunda, que a violência religiosa é um risco à integridade nacional e ameaça os “valores fundamentais” do país.

Segundo a agência oficial IANS, o caso mais grave é no Estado de Orissa, onde pelo menos 36 pessoas morreram e 2.400 casas e 120 igrejas foram parcial ou totalmente destruídas desde o final de agosto, quando a morte de um líder hindu desencadeou a onda de violência contra os cristãos. Estima-se em mais de 600 os já convertidos ao hinduísmo.

Há ainda registros de violência em outros Estados, e centenas de mortes por toda a Índia nos últimos meses são atribuídas a motivações religiosas. No mosaico religioso, étnico, lingüístico e de castas indiano, 80% dos cerca de 1,1 bilhão de habitantes são hindus; 14%, muçulmanos; e 2,4%, cristãos.

Voltou a Missa em latim: Deo gratias


Revista Panorama, quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Carlo Rossella

A celebração na língua antiga, acompanhada por cânticos gregorianos, é uma delícia para o espírito. Tem um grande passado e é destinada a um grande futuro. Eis porque agrada, além dos tradicionalistas e os aristocratas, aos jovens. E também a Madonna e Elton John.

Tenho profundas razões afetivas ao retornar a Pavia, a minha cidade, nos finais de semana. Mas entre tantas, há uma que prezo muito: a missa em latim, segundo o rito de São Pio V, celebrada todos domingos às 9:30 na igreja de San Giovanni Domnarum por Gianfranco Poma.

Poma, biblista, professor no Seminário episcopal, é um sacerdote extraordinário, culto, aberto ao moderno, mas muito atento à tradição. Com um pequeno grupo de dedicados intelectuais católicos, soube e quis organizar a celebração, que se tornou possível após o motu proprio do Papa Bento XVI.

Poma fez uma pesquisa sobre as peculiaridade do rito, bem diverso em tantas pequenas particulares da missa comum em italiano. Os fiéis, por exemplo, ajoelham-se à mesa da Comunhão para receber a Sagrada Eucaristia.

Ao lado do esplêndido latim da Missa, existe a música gregoriana, a que acompanhou o rito tridentino desde 1570 até 1969 quando, após o Concilio ecumênico Vaticano II, o Papa Paulo VI aboliu o latim. Tal medida provocou, como se sabe, a recusa de uma parte dos fiéis católicos, guiados pelo ex-arcebispo de Dakar, Marcel Lefebvre, fundador da comunidade cismática de São Pio X e do seminário tradicionalista de Econe, na Suíça.

Sem embargo, freqüentando-a regularmente por obrigação religiosa, dado que sou católico praticante, nunca gostei da missa em língua local, ou seja, a missa pós-conciliar, com cânticos populares, descontando as ladainhas, violões e em certos países também tambores, como na famigerada Missa Luba.

Fui educado na religião católica com a Missa tridentina e considerei aquela nova como uma dilaceração. Sempre atribuí à queda do latim, do gregoriano, do rito um pouco misterioso da missa antiga à crise de vocações e tudo que aconteceu na disciplina e na vida dos sacerdotes.

Por todas estas razões, freqüentemente e de bom grado, participei de missas tradicionalistas, ou seja, lefebvrianas [sic], mas o meu confessor nunca me censurou.

Atualmente, muitos religiosos não falam latim, uma língua que, pelo contrário, renasce nas universidades norte-americanas mais prestigiosas, na Sorbonne e nos grandes ateneus alemães.

Na Itália, em algumas cidades, inclusive pequenas, celebra-se a missa antiga, porém certos prelados a obstaculizam, são parcimoniosos em conceder autorizações, quiçá por ignorância. Tal fenômeno não é apenas italiano, mas também francês, e o Santo Padre, desde Lourdes, exortou os bispos transalpinos a aceitar a missa em latim e a não criar muitas histórias.

Em Paris, porém, sempre assisti a esplêndidas missas em latim, sobretudo as da primeira sexta-feira do mês, na capela tradicionalista de Saint Dominique na rue de Pernéty, onde se presta homenagem ao cura d’Ars, um santo venerado pelos cultores do antigo missal.

A missa em latim, que em Roma está na moda entre os aristocratas da velha nobreza negra (a princesa Alessandra Borghese não perde uma) e entre os jovens nobres (o príncipe Francesco Moncada di Paternò), tem um grande passado, mas está destinada a ter também um notável futuro, visto o número crescente dos jovens que em toda Itália seguem o rito tridentino.

A melhor missa, no momento, é, dizem-me, a que se celebra todos os dias na igreja da Misericórdia, em Turim, mas também em Roma, na via Leccosa, atrás do Palácio Borghese, esforçou-se para tornar o rito esplêndido e muito ancien regime.

No Vaticano se fala em baixo tom da missa em latim, mas há, nos vértices, quem a celebra com prazer e com um certo espírito de desforra. É belo ver velhos padres e monsenhores aproximar-se do altar e recitar em latim: “Subirei ao altar de Deus, alegria da minha juventude” (Introibo ad altare Dei. Ad Deum qui laetificat iuventutem meam).

Para um católico, de qualquer idade, a fé em Deus e o seu amor mantém sempre jovens e entusiastas. Quem crê é otimista e mais sereno do que quem é agnóstico e inclusive ateu, sobretudo nesses tempos sombrios de aproveitadores financeiros e crises econômicas. Eu que havia esquecido de todo o ritual da missa de São Pio V, após haver escutado duas ou três não tive mais necessidade do livreto e respondi sem problemas ao sacerdote.

O retorno à tradição não diz respeito somente a missa, mas também a bênção dos fiéis, com Tantum Ergo, o pluvial suntuoso, o incenso em grandes quantidades e água benta. Obrigatório, no fim do rito, o cântico da Salve Regina, oração esplêndida em latim.

Em algumas comunidades se está por voltar aos funerais com os paramentos negros e prata e as ladainhas dos defuntos em latim. A missa tridentina é uma verdadeira delícia para o espírito.

E tem também uma sua estética. Para os homens aconselha-se o terno escuro com camisa branca e gravata escura. Às senhoras se aconselha o véu negro que cobre as orelhas, mas põe em relevo a face e os olhos. Encontram-se ainda véus bordados ou em tules nos gavetões da avó ou em certas lojas do interior, a côté dos santuários ou catedrais.

Às moças, pelo contrário, convém um véu claro, como levavam outrora nas procissões as crianças da Ação Católica.

A única desvantagem da missa em latim em comparação com a em italiano é a duração: ao menos 20 minutos a mais, dado que há muito mais a pedir ao bom Deus.

Iudica me, Deus, et discerne causam meam de gente non sancta, ab hómine iníquo et doloso érue me. Quia tu es, Deus, fortitudo mea: quare me repulisti, et quare tristis incedo, dum affligit me inimmicus?

Assim se reza em latim. Deo gratias.

Bispos pedem diálogo com outras crenças

O Estado de S. Paulo, sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Efe

O diálogo inter-religioso, uma das maiores preocupações do 12º Sínodo de Bispos, realizado no Vaticano, foi defendido, entre outros, pelo cardeal d. Odilo Scherer, arcebispo de São Paulo. Para ele, é preciso aumentar as relações com os judeus. Os bispos também apóiam a criação de um fórum cristão-muçulmano para “encontrar-se, discutir e meditar juntos”. O arcebispo de Belo Horizonte, d. Walmor Oliveira de Azevedo, disse, no entanto, que as novas seitas são um desafio para a Igreja Católica.

Papa evita menção direta à máfia

O Globo, segunda-feira, 20 de outubro de 2008


O Vaticano defendeu ontem a decisão do Papa Bento XVI de evitar uma condenação direta ao crime organizado numa viagem a Pompéia, perto de Nápoles, reduto da Camorra, uma das máfias mais cruéis do país e que foi tema do filme Gomorra, baseado no livro de Roberto Saviano.

Vaticano suspende beatificação de Pio XII


O Globo, quarta-feira, 22 de outubro de 2008

M. Andrade e J. M. Muñoz, do El País

Roma — A beatificação do Papa Pio XII (1939-1958), assunto espinhoso e com ramificações diplomáticas e políticas, aguarda a assinatura de Bento XVI. Mas está tropeçando em um obstáculo que já era de se esperar: a feroz censura de vários setores do judaísmo, que acusam Pio XII de ter feito vista grossa diante do Holocausto. O atual Papa, que destacou em setembro o trabalho silencioso de Pio XII em favor dos judeus, optou agora por uma investigação mais profunda. Por meio de seu porta-voz, Federico Lombardi, confirmou que “não assinou os decretos de virtudes heróicas” e que o assunto “está sendo objeto de estudo e reflexão”. Lombardi pediu ainda calma a católicos e judeus.

Na segunda-feira, em um site de simpatizantes do Kadima — partido da premier israelense designada Tzipi Livni — foi publicada uma foto de Bento XVI com uma suástica nazista sobreposta. Lombardi lembrou que o Vaticano protestou quando o Museu do Holocausto de Jerusalém colocou o seguinte texto embaixo da fotografia de Pio XII: “Quando a relação de acontecimentos relativos ao massacre dos hebreus chegou ao Vaticano, não provocou protestos escritos ou verbais. Quando os judeus foram deportados de Roma para Auschwitz, Pio XII não interveio... Quando os fornos eram alimentados dia e noite, o Santo Padre que vive em Roma não abandonou seu palácio.”

Essa versão dos fatos, reafirmada pelo rabino chefe de Haifa, Shear Cohen, convidado especial do Pontífice para o Sínodo, é o maior obstáculo no processo de beatificação.

— Neste momento, não é oportuno pressionar nem em um sentido, nem em outro — disse Lombardi.

No fim de semana passado o relator para a causa da beatificação, Peter Gumpel, e o postulante Paolo Molinari fomentaram a polêmica.

Gumpel afirma que são “uma falsificação evidente da História” as acusações contra Pio XII e que Bento XVI só suspendeu o processo de beatificação “para manter relações amistosas com os judeus”.

Tanto ele quanto Molinari pedem a Israel que retire o mais rapidamente possível o texto sobre o Pio XII do Museu do Holocausto.

— Prometem que vão mudar o texto, mas nunca fizeram nada. Já fizemos diversos pedidos, mostrando diferentes razões — disse Molinari.

Israel e o Vaticano estabeleceram relações diplomáticas na década de 90, mas até hoje várias promessas de diálogo e cooperação não avançaram.

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

A santa de 4,2 milhões de casas


O Estado de S. Paulo, domingo, 5 de outubro de 2008

Edison Veiga

Uma vez por mês é dia de visita na casa da família Ozaki, na Vila Clementino. “Recebemos uma convidada especial”, diz a dona de casa Dulce da Silva Ozaki. “Fica sempre na sala, com uma vela e um vaso de flor ao lado.”

Trata-se de uma das 140 mil imagens da Mãe, Rainha e Vencedora Três Vezes Admirável, mais conhecida como Mãe Peregrina, que diariamente vão de casa em casa no País. Elas atingem um total de 4,2 milhões de famílias católicas. Só na capital paulista são 6.700 capelinhas da santa e mais de 200 mil lares participantes.

O movimento das imagens itinerantes começou em 10 de setembro de 1950. A religiosa Teresinha Gobbo, do Instituto Secular das Irmãs de Maria de Schoenstatt, mandou fazer três capelinhas. Escolheu três católicos de Santa Maria, no Rio Grande do Sul, e deu uma imagem para cada um. Com a singular missão: fazer a santa visitar uma família por dia.

Cada família participante recebe a imagem uma vez por mês. No dia seguinte, tem de levá-la a um vizinho, que faz o mesmo. “Acolher a Mãe transformou nossa vida”, diz a dona de casa Angelita Enides Rocha, que mora no bairro da Pedreira e integra o movimento há dez anos. “Paramos de discutir por motivos bobos.”

O Instituto Secular das Irmãs de Maria de Schoenstatt utiliza a tradição como ferramenta de evangelização. “Nosso objetivo é resgatar os valores da família cristã e a dignidade humana”, explica a religiosa Maria Caroline.

Llamamiento de los cristianos iraquíes: ‘¡Estamos muriendo!’


Zenit, jueves, 9 de octubre de 2008

Mosul — “¡Estamos muriendo!” es el trágico llamamiento de los cristianos de Mosul (Irak), que en las últimas semanas han vuelto a ser objetivo de una dramática ola de violencia.

El padre Amer Youkhanna, sacerdote del clero de Mosul que vive en Roma, ha explicado a Baghdadhope que las personas de la ciudad iraquñi “han dicho que no tienen palabras para definir lo que está sucediendo, si no se trata de un exterminio”.

“Nosotros estamos muriendo, me han dicho, y es necesario que nuestra voz sea escuchada”.

Las familias que aún quedan en Mosul, denuncia, “no tienen dinero para huir, no sabrían adónde ir, y así se quedan encerradas en casa a esperar. Es una situación terrible, quizás nunca antes de ahora, la comunidad cristiana de Mosul ha vivido tal periodo de terror. Quien quiere instaurar el estado islámico en Irak con capital en Mosul, quiere que la ciudad no tenga siquiera un cristiano entre sus habitantes”.

Monseñor Philip Najim, Procurador de la Iglesia Caldea ante la Santa Sede, ha referido que “grupos armados penetran en el barrio donde viven los cristianos y asesinan a quienes encuentran en la misma calle”.

“Son homicidios a sangre fría llevados a cabo a la luz del día y ante decenas de testigos, como si estos grupos quisieran demostrar que pueden obrar impunemente, controlar la ciudad”, observó.

“El objetivo es, claramente, sembrar el terror para completar la obra de vaciar a la ciudad de su antiquísima población cristiana, que comenzó hace ya años”.

“El mundo nos está dejando solos”, admitió con profunda desilusión a Baghdadhope monseñor Shlemon Warduni, obispo auxiliar de Bagdad.

También el prelado ha alzado su voz contra la cancelación del artículo 50, que reservaba 15 puestos en seis provincias a las minorías: 13 a los cristianos, uno a los Shabak y uno a los Yazidi.

En esta situación, afirmó, los cristianos iraquíes pretenden “continuar haciendo escuchar nuestra voz esperando que nuestro llamamiento sea acogido, no solo en Irak sino en todo el mundo”.

“Están en juego nuestros derechos ciudadanos, que aunque pertenecientes a una minoría, es cierto, siempre hemos sido ciudadanos iraquíes — declaró —. ¿No le interesa a nadie?”

Papa diz que crise reflete futilidade


Folha de S. Paulo, terça-feira, 7 de outubro de 2008

Futilidade do êxito e do dinheiro — é o que mostra a crise, segundo o papa Bento 16. O pontífice opinou sobre a turbulência econômica de improviso, na abertura de um encontro com bispos, no Vaticano. O papa disse que “a palavra de Deus, mais do que qualquer outra palavra, é o fundamento de tudo, a autêntica realidade”.

Para Bento 16, “somente a palavra [de Deus] é sólida, ela é a verdadeira realidade sobre a qual se deve fundar nossa própria vida”. O papa pediu às pessoas que cimentem sua vida sobre a “rocha” da palavra divina.

“Agora estamos vendo, com o afundamento dos grandes bancos, que esse dinheiro desaparece, que não é nada; trata-se de realidades de segunda ordem”, acrescentou. Bento 16 ainda disse que muitos fazem suas construções “sobre areia”.

O papa, a “rocha da igreja” para os católicos, comanda uma instituição que vai mal das contas. A Santa Sé (instituição religiosa) fechou no vermelho, em 2007, com um rombo de 9 milhões. O Vaticano (instituição política), com investimentos no mercado imobiliário, viu seus lucros minguarem quase 70% em 2007, com superávit de apenas 6,7 milhões.

A explicação, à época, foi a valorização do euro ante o dólar, já que boa parte das doações vem dos EUA, onde a Igreja Católica também enfrentou uma onda de escândalos sexuais.

Palestra de rabino abre reunião de bispos

O Estado de S. Paulo, terça-feira, 7 de outubro de 2008

AFP

O Sínodo de Bispos começou no Vaticano com a histórica participação de um rabino, que falou sobre a visão judaica das Escrituras. O grão-rabino de Haifa, Shear Cohen, fez sua palestra diante de mais de 300 bispos, observadores e biblicistas.

Papa inicia maratona de leitura da ‘Bíblia’

O Estado de S. Paulo, segunda-feira, 6 de outubro de 2008

AFP

Bento XVI iniciou ontem uma maratona de leitura televisionada de toda a Bíblia. A iniciativa está sendo organizada pela televisão italiana RAI e vai se prolongar pelos próximos sete dias. O papa leu os primeiros capítulos do Gênese. Um representante do patriarca russo Alexis II foi o segundo leitor, seguido por um protestante. Participarão também muçulmanos e judeus. O cineasta Roberto Benigni recitou o assassinato de Abel por Caim.

Papa alerta para ‘falta de Deus’ na sociedade moderna


No discurso de abertura da 12ª Assembléia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos — que reúne 253 religiosos do mundo inteiro —, em Roma, o papa Bento 16 alertou para a perda da influência do cristianismo em países que, em outros tempos, foram “ricos em fé e vocações”.

O pontífice disse que a “falta de Deus” na cultura moderna resulta em uma sociedade mais confusa e dividida, levando nações a perderem a sua identidade. “Há quem, ao decidir que Deus está morto, se declare ‘deus’ e dono absoluto do mundo.”

A missa de inauguração foi celebrada na basílica de São Paulo, ontem de manhã, mas as atividades começam hoje e seguem até o dia 26, com o tema A palavra de Deus na vida e na missão da igreja.

Segundo o documento sobre o qual o sínodo trabalha, a igreja está preocupada com o desconhecimento da Bíblia por parte dos fiéis, o que pode levar a interpretações “fundamentalistas” ou equivocadas. Um dos objetivos será decidir como corrigir esse desconhecimento.

A assembléia não terá participação de bispos chineses, já que a Santa Sé e Pequim não chegaram a um acordo para que eles pudessem sair do país. Mas estarão presentes o cardeal arcebispo de Hong Kong, Joseph Zen Ze-kium, e o bispo de Macau, José Lai Hung-Seng. Ambas são Regiões Administrativas Especiais da China.

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Padre conscientiza com ‘novena verde’

Giovana Girardi

Com a experiência de quem viu o bairro se deteriorar nos últimos 26 anos, com o aumento de favelas, do lixo e da poluição, o padre Paulo Sergio Bezerra, de Itaquera (zona leste de São Paulo), percebeu que estava em suas mãos o papel de conscientizar seus fiéis sobre os problemas urbanos que resultam em danos ao meio ambiente.

Da escola da Teologia da Libertação, o padre de 54 anos já vinha desenvolvendo um trabalho mais voltado para as questões sociais e políticas da paróquia, mas não tinha nada de ambientalista. As coisas mudaram quando ele se deu conta, de uns anos para cá, que os problemas ambientais superavam todos os outros em urgência, diante das ameaças de escassez de água e do aquecimento global.

Os freqüentadores da igreja vivem em uma área com grandes focos de favelização em meio a remanescentes de mata atlântica, o que faz com que a ligação entre proteção ambiental e justiça social seja direta. “Quando cheguei aqui, há 26 anos, o Rio Jacu corria caudaloso, limpo, hoje virou um canal de esgoto. O lixo espalhado pelas ruas está demais, as pessoas não têm consciência sobre o problema do trânsito, só querem alcançar o sonho de ter um carro. É uma situação difícil”, explica o padre.

O primeiro alvo foi a tradicional novena, evento geralmente focado em orações, que se tornou uma ferramenta para transmitir conhecimento e tentar mobilizar a população. “Concluí que a comunidade tinha de se aprofundar nesses temas para poder agir. Queria despertar a sociedade, mas confesso que não sabia bem como”, conta.

Sem se intimidar, ele procurou quem sabia. Entrou em cena, então, uma prima distante, a jornalista e socióloga Maristela Bernardo, presidente do Instituto Internacional de Educação do Brasil, que há anos trabalha pela promoção do desenvolvimento sustentável no País.

Ela recorreu a amigos ambientalistas para montar uma semana de palestras e debates durante o ofício religioso. Foram convidadas para palestrar pessoas destacadas nessa luta, como Fábio Feldmann, secretário-executivo do Fórum Paulista de Mudanças Climáticas, o jornalista André Trigueiro, especializado em ambiente, o advogado Marcelo Cardoso, do Instituto Socioambiental (ISA), e Oscar de Moraes, da Agência Nacional de Águas. A “novena verde” atraiu mais de 400 pessoas por dia que, mesmo depois de gastarem horas em viagens de ônibus e metrô para chegar ao bairro à noite, após o trabalho, se dispuseram a ouvir sobre meio ambiente. Foi apenas o primeiro passo.

Passado o evento, Bezerra criou na paróquia uma pastoral do meio ambiente — um grupo de oito pessoas que, com apoio de Cardoso, do ISA, busca formas de manter o tema em discussão. Uma delas foi inserir mensagens ambientais no folheto da missa dominical (são 2 mil exemplares distribuídos em 11 igrejas da região).

Ao lado das leituras do evangelho, os fiéis se deparam com frases que pregam reciclagem de lixo, ensinam como fazer o descarte adequado do óleo de cozinha ou de pilhas, orientam pela consumo de menos sacolas plásticas de supermercado etc. É um ensinamento novo a cada domingo.

CNBB defende punição de torturadores

Christiane Samarco

A CNBB quer a abertura dos arquivos do regime militar e a punição dos torturadores que atuaram a serviço da ditadura. Foi o que defendeu o presidente da CNBB, d. Geraldo Lyrio Rocha, com o alerta de que “perdão não é sinônimo de impunidade”, e a defesa da tese de que “a abertura dos arquivos poderá elucidar e trazer a lume uma página dolorosa da história”.

D. Geraldo recebeu ontem, na sede da Conferência em Brasília, a ‘caravana da anistia”. Por iniciativa da Comissão da Anistia do Ministério da Justiça, a CNBB foi escolhida como sede de uma sessão especial de julgamento em que foram apreciados 13 requerimentos de anistia política nos quais se pede indenização para religiosos e militantes ligados à Igreja que sofreram perseguição e tortura durante o regime militar.

“Temos que perdoar, porque sem perdão não há reconciliação e sem reconciliação não há paz. Mas impunidade, não”, pregou dom Geraldo.

Arquidiocese repreende ACM Neto por fotos em panfletos

Salvador —Sem citar o nome do candidato a prefeito, a Arquidiocese de Salvador emitiu uma nota criticando o comportamento de Antonio Carlos Magalhães Neto (DEM) por distribuir cerca de 15 mil panfletos em que aparece recebendo a comunhão do papa João Paulo 2º e beijando a mão do cardeal primaz do Brasil, d. Geraldo Majella.

No panfleto Neto tem fé em Deus, o candidato aparece recebendo a comunhão do papa durante a segunda visita de João Paulo 2º à Bahia, em 1991 — na época, o Estado era governado pelo avô do candidato, o senador Antonio Carlos Magalhães (morto em 2007).

O outro lado do panfleto traz ACM Neto beijando a mão de Majella, além de um texto citando que o seu vice, o deputado federal Márcio Marinho (PR), é da Igreja Universal e também “um cristão”.

Cresce a procura pela Missa tridentina na Alemanha

Na quinta-feira se encerrou a reunião de outono da Conferencia dos Bispos Alemães. Pela primeira vez ela esteve sob a direção do Arcebispo de Freiburg Robert Zollitsch. Nesta sexta-feira ele apresentou à imprensa os resultados dos debates:

Zollitsch afirmou que a procura de missa no rito extraordinário é crescente na Alemanha, segundo um inquérito realizado em todas as dioceses do país.

“O resultado mostra que o Motu Proprio do papa Bento XVI do ano de 2007 é ativamente aceito e ativamente posto em prática, onde há pessoas que se interessam”.

Se ainda em 2006 só era possível celebrar a Missa no rito extraordinário em 31 localidades, hoje o número triplicou. 98 locais oferecem essa Missa. O número de sacerdotes, segundo informações dos bispos, duplicou.

Diz Zollitsch: “Contudo, a procura não é bastante grande para que se tenha necessidade de muito mais localidades. Não se trata de fomentar a procura artificialmente, pois isso não é tarefa nossa. Eu me alegro de que tenhamos essa procura e informarei também Roma”.

Zollitsch refutou reiteradamente as notícias de imprensa que relatavam que o Vaticano estava decepcionado com a atitude dos bispos alemães e uma aplicação restritiva da orientação do Papa de permitir amplamente a Missa no renovado rito de 1962.

segunda-feira, 28 de julho de 2008

Mosteiro mais antigo tem monges mais novos

O Estado de S. Paulo, domingo, 20 de julho de 2008

Valéria França
A instituição religiosa com vida ininterrupta mais antiga de São Paulo, o Mosteiro de São Bento, completou, na terça-feira, 410 anos. E com a geração de monges mais jovem da história da casa. Dos 44 beneditinos, 35 têm entre 20 e 32 anos. “Em 1993, quando cheguei, havia uma geração significativa de octogenários, que foi morrendo ao longo do tempo. Desse grupo só um está vivo, mas bem idoso, com 97 anos, e doente, com Alzheimer”, diz o prior, d. João Evangelista Kovas, de 35 anos, segundo na hierarquia. O primeiro é o abade, d. Mathias Tolentino Braga, de 43 anos.
Com o rejuvenescimento do corpo de religiosos, o mosteiro vem saindo de um obscurantismo secular para se adequar à modernidade, sem, no entanto, perder o foco na vida monástica e nos valores tradicionais. “A nova geração de monges é mais maleável que a antiga”, diz o irmão Gregório de Oliveira Ferreira, de 24 anos, que em aproximadamente três semanas fará os votos perpétuos, conquistando assim, depois de cinco anos de estudo, o título de monge.
Ao meio-dia, serve-se o almoço. Não é permitido conversar durante a refeição. Para que ninguém caia em tentação, um dos religiosos lê em voz alta algum livro de história, como 1808, sobre a chegada da família real ao Brasil. “O mais difícil é a hora do silêncio, reservada para meditação, oração e leitura”, observa irmão Gregório. “Nunca conseguimos fazer aquele silêncio sepulcral, que os antigos monges colocavam em prática. Sempre alguém fala alguma coisa ou solta uma piadinha.”
A clausura fica aberta à internet
Quando o Mosteiro de São Bento, em São Paulo, começou a abrir suas portas para a comunidade, organizando uma agenda de concertos, brunches e festas, outras mudanças já aconteciam longe das vistas dos visitantes. Os monges hoje têm à disposição dez terminais de computador, conectados à internet, nas salas multimídias da clausura. “Precisamos estar antenados com o que acontece no mundo”, diz o prior d. João Evangelista Kovas, considerado no mosteiro um bom webdesigner. Foi ele quem construiu o site www.mosteiro.org.br. “O portal é uma ótima forma de se comunicar com o público. Lá estão nossas informações básicas, com horário de missa e histórico do mosteiro, entre outras coisas.”
Mosteiro abre portas para eventos
O Mosteiro de São Bento oferece um leque diversificado de atividades, que vai de recitais a brunches autorais. Uma terça-feira por mês, são realizados concertos pagos de música clássica. Já passaram por ali grandes intérpretes como o pianista Álvaro Siviero, que chegou até a tocar para o papa Bento XVI. Um dia antes, na basílica, ao meio-dia, acontece a mesma apresentação, só que em um formato mais enxuto, e de graça ao público. “O concerto do meio-dia emplacou. A basílica fica lotada”, conta o prior d. João Evangelista Kovas.
Os domingos também são bem concorridos. A famosa missa com cantos gregorianos começa às 10 horas. Quando os sinos tocam, abrem-se as portas da clausura e os monges entram em fila em direção ao altar. O silêncio na basílica é quebrado pelas canções em latim. “Já há letras de cantos gregorianos em português”, diz irmão Gregório de Oliveira Ferreira, de 24 anos. “Mas o mosteiro conserva o latim por uma questão de tradição.” Os fiéis agradecem.

O passado e o presente na Igreja

Jornal do Brasil, sábado, 12 de julho de 2008
Opinião

Dom Eugenio Sales
No Natal de 1969, o então professor Joseph Ratzinger, pronunciou uma erudita conferência. Nela, interrogou o futuro e buscou, no passado, explicações para o presente. Seu estudo se aplica, ainda hoje, à nossa realidade e merece uma reflexão dos fiéis sobre a similitude entre a conjuntura hodierna e o iluminismo, além do modernismo, correntes de pensamento que exerceram profunda influência nos séculos 18, 19 e 20.
Dizia o futuro papa Bento XVI: “O iluminismo tinha seu movimento episcopal em oposição a um centralismo unilateral de Roma. Queria salientar a importância dos bispos. Ele tinha seus componentes democráticos. (...) Exige-se a eliminação do celibato” (Fé e futuro, p.70).
A crise do modernismo perdura, apesar do rude golpe aplicado por Pio X, com a encíclica Pascendi, de 8 de setembro de 1907. O nome “modernismo” encobre uma variedade de proposições, cujas raízes mergulham no liberalismo do século 19. Incluía o conceito de “Igreja” em relação à ordem política e social; a renovação da teologia e exegese; o tipo de inserção da pastoral no mundo; a atualização das instituições eclesiásticas. Ao lado de aspectos positivos, essa corrente de pensamento, condenada pela Santa Sé, induzia ao esvaziamento do conteúdo da mesma fé. Predomina a ambigüidade, como hoje. Na França, as conseqüências foram desastrosas, de modo particular, para o clero jovem.
No modernismo, havia o que vemos atualmente: a pretensão de permanecer na comunidade eclesial, com a esperança de reformá-la, a partir do interior. Essa expectativa terminou com a Pascendi e quase todos se submeteram.
A afirmação de que, nos dias de hoje, há fatores novos que anulam qualquer comparação histórica vem apenas corroborar as semelhanças.
O brilho e o vigor da vida religiosa, em muitos países; a pregação da palavra de Deus em todos os quadrantes da terra; a força moral, ímpar na humanidade, dos últimos romanos pontífices; a ação visível do Espírito Santo, através do Concílio Vaticano II, geram ilimitada confiança, dando-nos a serenidade que tem seu fundamento na promessa do Redentor.

Liberal churches have ‘spiritual Alzheimer’s’, claims Vatican cardinal

Telegraph.co.uk, 23 July 2008

By Martin Beckford, Religious Affairs Correspondent
Cardinal Ivan Dias also told hundreds of Anglican bishops gathered in Canterbury that churches who take important decisions without the authority of their leaders have “ecclesial Parkinson’s”.
His outspoken comments came just hours after the head of the church in Sudan, backed by Primates of 17 provinces in the developing world, demanded that the homosexual bishop of New Hampshire, the Rt Rev Gene Robinson, be sacked and that those who consecrated him “confess”.
In a speech last night on evangelisation, Cardinal Dias said:
“Much is spoken today of diseases like Alzheimer’s and Parkinson’s.
“By analogy, their symptoms can, at times, be found even in our own Christian communities.
“For example, when we live myopically in the fleeting present, oblivious of our past heritage and apostolic traditions, we could well be suffering from spiritual Alzheimer’s.
“And when we behave in a disorderly manner, going whimsically our own way without any co-ordination with the head or the other members of our community, it could be ecclesial Parkinson’s.”

‘A inquisição não representa a realidade atual’, diz secretário da Congregação para a Doutrina da Fé

UOL, El País, 23 de julho de 2008

Juan G. Bedoya; tradução: Luiz Roberto Mendes Gonçalves
O jesuíta Luis Francisco Ladaria Ferrer será dentro de alguns dias o espanhol mais graduado na Cúria do Vaticano, depois da aposentadoria dos cardeais Martínez Somalo e Julián Herranz. Não aparenta. Ele mesmo atende ao telefone em seu escritório na Universidade Gregoriana de Roma.
De cara, protesta: “Olhe, combinamos que não haveria entrevista”, ele mesmo se interrompe. Ri, ri sempre, como se fosse a melhor maneira de aliviar seu novo cargo, o número 2 da Congregação para a Doutrina da Fé.
O que acha das palavras “Inquisição”, “Santo Ofício” ou mesmo “herege”? Ele responde sério, entre risos: “Você me fala de situações e elementos do passado. Nosso trabalho consiste em promover a justa fé da Igreja. O Santo Ofício ou a Inquisição não representam a realidade atual. Quando me perguntam sobre o dogma, respondo que a misericórdia de Deus, como lembra Dante, tem os braços muito grandes. Esta é a chave: bondade e misericórdia”.
Sobre a competência teológica de Ladaria, registrada em cerca de 20 livros, há uma unanimidade assombrosa. Apesar de tudo, alguns teólogos espanhóis, incentivados por bispos mais papistas que o papa, pensaram há anos que Ladaria roçava a heresia em algumas questões doutrinárias fundamentais. “Acreditamos que a explicação do professor Ladaria não consegue estar conforme, por mais que tente, com a doutrina da Igreja”, escreveu em 1995 o teólogo José María Iraburu a propósito do livro de Ladaria Teologia do Pecado Original e da Graça.
Segundo os caçadores de hereges na Espanha, o pecado original é “transmitido a todos por propagação, e não por imitação”. “Essa é a doutrina considerada de fé. Pelo contrário, o professor Ladaria, jesuíta, estima que não devemos afirmar que a geração seja formalmente a causa da transmissão do pecado original. A transmissão desse pecado de origem ele a entende não em clave ontológica, mas histórica.”
Essas críticas foram citadas nos últimos dias em diversos fóruns. Ladaria não se dá por vencido. Tampouco se considera vigiado. “Ninguém nunca me olhou com o olho esquerdo, como você diz.”
Ele ri com vontade. “Foi um episódio que passou. Ninguém me disse nada, nem aqui nem na Espanha, do ponto de vista oficial. Houve um pouco de rebuliço, mas nunca me senti visado.”
As teses de Ladaria sobre o pecado original corrigiam efetivamente a teoria clássica do grande santo Agostinho, muito dado ao sensacionalismo. Mas finalmente se impuseram em Roma, como na recente correção da idéia do limbo como o lugar onde iam parar os que morriam sem ter o uso da razão e sem ter sido batizados; isto é, um lugar sem tormento nem glória, mas para toda a eternidade. Os amigos de Ladaria crêem que sua competência teológica também nesta matéria é a razão pela qual o papa Ratzinger o quer ao seu lado como policial da doutrina.
Entre os teólogos contemporâneos admirados por Luis Ladaria — ele cita Yves Congar, Henri de Lubac, Karl Rahner e Hans Urs von Balthasar, nada menos —, alguns foram especialmente incomodados pelo Santo Ofício.

As tâmaras da época de Cristo

O Estado de S. Paulo, quinta-feira, 24 de julho de 2008

Fernando Reinach
Entre 1963 e 1965 um grupo de arqueólogos escavou um forte em Massada, na beira do Mar Morto. Nas ruínas do forte, construído por Herodes em 65 a.C. e destruído pelos romanos em 73 d.C., foram encontradas diversas sementes. Em 2005 as sementes foram identificadas como sendo de tâmara e foram submetidas à análise de carbono 14 para verificar a idade. Os resultados indicaram que as sementes foram coletadas por volta da época do nascimento de Jesus, entre 200 a.C. e 25 d.C.
Três dessas sementes foram plantadas e, oito semanas depois, uma germinou. Apesar das folhas iniciais apresentarem sinais de falta nutrientes, a planta sobreviveu e, aos 15 meses, foi transplantada para um grande vaso.
Quando o material genético foi comparado com o DNA das diversas variedades de tâmaras cultivadas atualmente, foi possível demonstrar que a variedade é diferente de todas as modernas.
As variedades modernas mais semelhantes são as cultivadas no Iraque e no Egito e as mais distantes são as cultivadas no Marrocos.
Se tudo der certo, nos próximos anos as plantas vão iniciar sua produção de frutos e finalmente poderemos saber o verdadeiro sabor das tâmaras consumidas 2 mil anos atrás.
Não se sabe se tâmaras foram servidas na Santa Ceia, mas se foram, provavelmente, elas eram provenientes dessa variedade.

Papa encerra encontro com 250 mil jovens na Austrália

O Estado de S. Paulo, segunda-feira, 21 de julho de 2008

AFP e Reuters
Sydney — Terminou ontem de manhã a 23ª Jornada Mundial da Juventude em Sydney, Austrália. Em sua homilia, na missa de encerramento, o papa Bento XVI destacou a necessidade de “uma nova era em que a esperança nos livre da superficialidade, da apatia e do egoísmo que insensibilizam nossas almas e envenenam nossas relações”. Participaram da cerimônia cerca de 250 mil pessoas de mais de 170 nações.
“Uma nova geração de cristãos é chamada a colaborar para criar um mundo em que a vida, presente de Deus, seja acolhida, respeitada e amada, e não rechaçada, temida como uma ameaça e destruída”, afirmou o papa, em uma clara referência ao aborto. “Nós devemos deixar (Deus) quebrar a crosta da nossa indiferença, do nosso cansaço espiritual, da nossa cega obediência ao espírito deste tempo.”
Bento XVI também destacou a necessidade de renovação na Igreja e o papel dos jovens. “A Igreja precisa da sua fé, do seu idealismo e da sua generosidade para que seja sempre jovem no Espírito”, afirmou o papa.A missa foi realizada no hipódromo de Randwick. Antes da celebração, os jovens permaneceram a noite inteira em vigília de preparação — enfrentaram um frio de 8°C. Participaram do encontro cerca de 125 mil peregrinos estrangeiros. Havia 12 mil latino-americanos.

Papa quer união de credos contra o terror

O Estado de S. Paulo, sábado, 19 de julho de 2008
Reuters

O papa Bento XVI pediu que todas as religiões se unam contra o terrorismo e resolvam os conflitos pacificamente. Em encontro com judeus, muçulmanos e membros de outros credos não-cristãos, o pontífice, que está na Austrália para o Dia Mundial da Juventude, disse que a Igreja Católica está aberta a aprender com outras religiões.

Na Austrália, papa diz que ‘consumismo insaciável’ esgota recursos do planeta


Folha de S. Paulo, sexta-feira, 18 de julho de 2008


O papa Bento 16 disse ontem, na 23ª Jornada Mundial da Juventude (JMJ), em Sidney, que os recursos do planeta estão sendo esgotados e desperdiçados em nome do que considera um “consumismo insaciável”. Frente a quase 150 mil pessoas de mais de 160 países, Bento 16 exortou o mundo a resistir ao que chamou de “vários tipos de veneno” que corroem a sociedade.
Na primeira aparição após três dias de descanso pelas 20 horas de viagem à Austrália, Bento 16 pediu reflexão sobre o mundo que a atual geração prepara para as próximas.
O “papa verde”, apelido ganho pela preocupação ambiental, não deixou de abordar temas caros ao seu pontificado nem de defender posições conservadoras, marca dos seus três anos à frente da Igreja Católica.
“Estamos descobrindo que há cicatrizes que marcam a cara da nossa terra, como a erosão, o desmatamento, o espólio dos recursos minerais e dos oceanos, e que se reproduzem no ser humano por meio do álcool, das drogas, da exaltação da violência e da degradação sexual.”
Ele disse que a televisão e a internet tratam como entretenimento questões como o uso de drogas e a exploração sexual e voltou a fazer críticas à prática do aborto. “Como pode ter-se convertido em um lugar de violência o mais maravilhoso e sagrado lugar humano, o ventre de uma mulher?”, indagou.
O papa aproveitou também a visita à Austrália para cumprimentar o premiê Kevin Rudd pelo pedido de perdão aos aborígenes em fevereiro, o primeiro na história do país. “Esse exemplo de reconciliação oferece esperança para povos do mundo todo.”

sexta-feira, 18 de julho de 2008

Pastores montam banca e fazem sessões de ‘descarrego’ de graça no centro de SP

Folha de S. Paulo, domingo, 13 de julho de 2008


Luis Kawaguti
Em menos de um minuto, o funcionário público José Ferreira Batista, 62, participou de uma sessão de “descarrego” na calçada da rua da Consolação, no centro de São Paulo. Ele caminhava para o trabalho, no Tribunal de Justiça, quando foi convidado por dois pastores evangélicos para receber uma oração rápida em uma banquinha — do tamanho usado pelos camelôs — onde havia uma Bíblia e uma taça com óleo.
“Em nome do Senhor seja afastada toda a energia negativa, no setor profissional, no sentimental e na saúde. Sai!”, disse o pastor Israel Alves da Silva, segurando a cabeça de Batista após ungi-la com óleo.
“Você sente o prazer que te eleva ao encontro de um espírito invisível”, disse o servidor Batista, que é evangélico.
O pastor Israel e seu colega Joaquim Cassiano Cândido escolheram o centro para oferecer orações gratuitas para funcionários de empresas e comerciantes que têm pouco tempo a perder a caminho do trabalho ou na hora do almoço. Eles dizem pertencer à Igreja Internacional do Reino de Cristo, de São Mateus, na zona leste, e seguem a linha evangélica neopentecostal.
Exorcismo
Segundo o teólogo Fernando Altemeyer Júnior, professor da PUC, as igrejas neopentecostais surgiram na década de 90 e costumam ter como tema a prosperidade e o sucesso profissional.
Ele diz que a pregação na rua sempre fez parte da história das religiões. “No catolicismo surgiram as procissões e o Corpus Christi, no protestantismo [a cerimônia] era feita nas casas. A missão do cristianismo é evangelizar”.
Para ele, a novidade do trabalho foi usar na rua o ritual do exorcismo (ou “descarrego”, para os evangélicos), que surgiu na Igreja Católica e era praticado nas igrejas e reservadamente.
Na semana passada, próximo à igreja da Consolação, em uma hora 12 pessoas receberam orações. Segundo os pastores, a média é de 60 pessoas por dia. Elas se aproximam, recebem folhetos, assinam um livro e recebem as orações de descarrego, que, segundo os pastores, ajudam a combater doenças e melhoram a vida profissional.
“Eu estava saindo da igreja da Consolação quando vi a barraquinha. Sou católica, mas Deus é um só e todas as orações são boas”, disse a aposentada Joana de Araújo Alves, 63.

Imagens católicas são destruídas no RS

O Estado de S. Paulo, quinta-feira, 17 de julho de 2008

As estátuas e as placas de agradecimento deixadas por devotos na Gruta Nossa Senhora de Fátima, em Santiago, região central do Rio Grande do Sul, foram depredadas na noite de segunda-feira. As peças destruídas não tinham valor comercial ou artístico, mas, segundo o padre Hermeto Mengarda, representavam muito para a fé popular. Avisada pelos zeladores da gruta, a Polícia Civil vistoriou o local na terça-feira. A imagem principal, de Nossa Senhora de Fátima, de quase 2 metros de altura, foi derrubada do altar. Até ontem, a polícia não havia encontrado pistas dos autores.

Clodovis e Leonardo Boff, fratelli separati di Sandro Magister

Chiesa, segunda-feira, 14 de julho de 2008

Roma — Il primo colpo è di alcuni mesi fa. Ed è un articolo pubblicato su una rivista teologica del Brasile da una celebrità della teologia latinoamericana: Clodovis Boff.
Ma è il secondo colpo che è rimbombato di più. Ed è l’aspra replica all’articolo di Clodovis Boff scritta dall’ancor più celebre suo fratello: Leonardo.
Le vie dei due fratelli si sono separate e scontrate proprio su ciò che prima le teneva unite: la teologia della liberazione.
Col suo saggio pubblicato lo scorso autunno sulla Revista Eclesiástica Brasileira (curata dai francescani del Brasile e diretta dal 1972 al 1986 proprio da suo fratello Leonardo), Clodovis Boff ha rotto con questa corrente teologica, o meglio, con “l’errore di principio” su cui a suo giudizio si fonda.
Leonardo Boff si autodefinisce oggi theologus peregrinus, senza fissa dimora. È stato estromesso dall’insegnamento nelle facoltà di teologia cattoliche da una sentenza del 1985 della congregazione per la dottrina della fede, causata principalmente dal suo libro Chiesa: carisma e potere. Saggio di ecclesiologia militante. Ha lasciato l’abito francescano e si è sposato. Vive a Petrópolis, nello stato di Rio de Janeiro.
Clodovis Boff appartiene invece tuttora ai Servi di Maria. Vive a Curitiba, nello stato del Paraná, e insegna nella Pontificia Università Cattolica della città. Non è stato mai processato dalla congregazione per la dottrina della fede, ma negli anni Ottanta perse la cattedra nella Pontificia Università Cattolica di Rio de Janeiro e gli fu impedito di insegnare al Marianum, la facoltà teologica del suo ordine, a Roma.
Il fratello Leonardo lo ricorda così, negli anni in cui era fervido fautore della teologia della liberazione: “Passava metà dell’anno tra le comunità di base, offrendo corsi popolari, scendendo e risalendo i fiumi per visitare i popoli della foresta, e dedicava l’altra metà dell’anno all’insegnamento e alla produzione teorica nell’università di Rio”.
Oggi invece, sempre a giudizio di Leonardo, Clodovis è passato anima e corpo a sostenere “con ottimismo ingenuo ed entusiasmo giovanile” la linea dettata dai vescovi latinoamericani nella loro conferenza continentale tenuta in Brasile ad Aparecida, nel maggio del 2007, e inaugurata da Benedetto XVI in persona.
Curiosamente, proprio colui che subentrò a Clodovis Boff sulla cattedra di teologia a Rio, l’italiano Filippo Santoro, oggi vescovo di Petrópolis e appartenente a Comunione e Liberazione, è lo stesso che ha più ispirato e seguito la sua “conversione”, durata qualche anno e infine sfociata nel saggio pubblicato sulla Revista Eclesiástica Brasileira.
A Roma, il quotidiano della conferenza episcopale italiana Avvenire ha dato la notizia dello scontro tra i due celebri fratelli in una breve nota, a fine giugno. Ma è stata soprattutto l’agenzia cattolica progressista Adista a dare rilievo alla cosa, in ripetuti servizi.

Bispos brasileiros criticam o quadro político

O Globo, sábado, 12 de julho de 2008
Terminou ontem a reunião dos cardeais, arcebispos e bispos do Brasil, em Goiânia. Na oportunidade do encerramento do conclave, do qual participaram 83 bispos e três cardeais, foi feita a mais importante declaração que a Igreja já pronunciou, no Brasil, nos últimos tempos.
“Analisando a atualidade política do Brasil, o Episcopado proclama sua confiança no regime democrático, quaisquer que sejam suas deficiências, mais devidas à fraqueza dos políticos do que à estrutura do regime. E acentua que um dos maiores defeitos da atualidade brasileira está na multiplicidade de partidos que, sem programas definidos, são simples pretextos para acobertar interesses pessoais. O triste espetáculo do voto negociado à base de ofertas ostensivas é um sinal sumamente degradante de nosso panorama político. Essas falhas, como outras de nossa vida pública, não nos parecem, entretanto, irremediáveis.
A democracia deve saber defender-se contra as infiltrações espúrias de candidatos que apenas se servem do voto atual para fins subversivos e totalitários no futuro. Que os nossos votos não conduzam ou reconduzam ao Legislativo nem ao Executivo os inimigos dos princípios cristãos e democráticos. Julgamos assim do nosso dever dar uma palavra de esclarecimento em torno do movimento nacionalista. (...) Estamos ao lado de tudo o que, no movimento nacionalista, exprime valorização de nossas indústrias de base, de nossas riquezas naturais, elevação de nível de vida, recuperação de áreas subdesenvolvidas, independência econômica, aumento de capital e soerguimento político. Somos por um nacionalismo são e equilibrado, enquanto atende às necessidades de uma soberania nacional que rejeita qualquer escravidão de tipo capitalista ou marxista.
Reprovamos o nacionalismo exacerbado que recusa qualquer convivência e colaboração legítima com outras nações e que se exprime como uma forma aguda de egoísmo coletivo. Condenamos o imperialismo econômico que representa um tipo de ditadura internacional e uma abdicação da autonomia nacional. Reprovamos com veemência o imperialismo soviético que, sob pretexto de nacionalismo e anticolonialismo, comanda frentes e movimentos políticos que representam apenas momentos provisórios de um assalto à autonomia da pátria, revelando-se depois como um virulento antinacionalismo”. (O Globo noticiava em 12 de julho de 1958)

Anglicanos abrem cúpula sob sombra de rixa por [homossexuais]

Folha de S. Paulo, quinta-feira, 17 de julho de 2008

Sob temores de racha, a Igreja Anglicana abriu ontem na Cantuária, Inglaterra, a Conferência de Lambeth, cúpula que ocorre a cada dez anos. A conferência deste ano chega na semana seguinte à aprovação da ordenação de mulheres e sob intensa disputa sobre a posição acerca da homossexualidade.
O terceiro maior grupo cristão do mundo está em crise desde que a Igreja Episcopal dos EUA — como é conhecida a Igreja Anglicana no país — ordenou Gene Robinson, [homossexual] assumido, como bispo de New Hampshire em 2003. Desde então, as rixas só aumentaram.
No mês passado, descontentes chegaram perto de um racha com a liderança, quando bispos conservadores se encontraram em Jerusalém para a Conferência Global sobre o Futuro Anglicano (Gafcon). Eles acusaram progressistas de proclamar “um falso evangelho que rebaixa a palavra de Deus” e promover “uma variedade de preferências sexuais e comportamento imoral”.
Os conservadores, a maioria vinda da África, também criaram um “bloco de poder” que desafia a atual hierarquia, encabeçada pelo arcebispo da Cantuária, Rowan Williams, embora não tenham se separado oficialmente.
A maioria dos participantes da Gafcon boicotou Lambeth neste ano, irritada com a decisão de Williams de convidar os religiosos que consagraram o bispo [homossexual]. O boicote atingiu quase um quarto do total dos bispos, principalmente os conservadores africanos.
Segundo a BBC, a Conferência de Lambeth deste ano não produzirá nenhuma resolução e tentará minimizar discussões sobre sexualidade para tentar esfriar as disputas.

Sexo e cisma, de novo, no caminho da Igreja Anglicana

O Estado de S. Paulo, quarta-feira, 16 de julho de 2008
Gilles Lapouge
A conferência anglicana de Lambeth será inaugurada hoje em Londres. Ela foi criada em 1867, com a finalidade de preservar a unidade da Igreja Anglicana. Este ano, deverá tratar de problemas complexos e desagradáveis. Os anglicanos não vão bem. É possível que já tenham se cindido em duas correntes. Ninguém ousa pronunciar a palavra mais funesta da história das religiões, “cisma”, mas ela é temida.
Essa conferência de Lambeth reúne 600 bispos anglicanos, de tendência “liberal”, acompanhados pelas respectivas esposas. Ora, há um mês, 200 outros bispos anglicanos, mas “conservadores”, encontraram-se em Jerusalém. São profundas as divergências entre as duas correntes.
A conservadora está indignada. Liderada pelo arcebispo da Nigéria, Peter Akinola, e constituída na maior parte por anglicanos africanos (Nigéria, Uganda, Sudão, Quênia etc.), ameaça criar “uma Igreja na Igreja”. Seus membros contestam a mais alta autoridade da Igreja Anglicana, Rowan Williams, arcebispo de Canterbury, personagem ousado que recentemente propôs a introdução de elementos da Sharia islâmica na lei britânica.
Qual é o objeto da discórdia? O sexo. Há alguns anos, em 2003, Gene Robinson foi ordenado bispo de New Hampshire, nos Estados Unidos. Divorciado e pai de família, ele era homossexual. Em junho último casou-se no civil com o companheiro com o qual convive há 20 anos (nos Estados Unidos, há 2,5 milhões de anglicanos).
Foi esse bispo que fez explodir o círculo conservador, pois a Bíblia, lembra Peter Akinola, o líder nigeriano dos “conservadores”, não gosta absolutamente dos homossexuais. Esse ponto da teologia foi contestado pela primaz da Igreja episcopal, Katharine Jefferts Schori, que garante que a Bíblia não proíbe a homossexualidade.
Sharon Ferguson, do Movimento dos [Homossexuais] e Lésbicas Cristãos, apóia Katharine, e explica: “As pessoas devem ser ordenadas em função de sua vocação, e não em função de sua sexualidade.”
A ala conservadora é poderosa. Ela é forte principalmente nos países africanos, mas cooptou centenas de bispos britânicos e americanos. Os prelados africanos são ainda mais rigorosos em matéria de sexualidade, por serem ameaçados em seus países pela expansão do Islã.
Precedente
O papa Bento XVI foi informado a respeito do problema no avião que o levava a Sydney, na Austrália, para as Jornadas Mundiais da Juventude. Disse que rezaria e acrescentou que deseja que o cisma poupe a Igreja Anglicana.
Ele sabe do que está falando, porque essa mesma Igreja, hoje dilacerada, nasceu de um cisma, já então motivado por uma questão, senão de sexualidade, pelo menos matrimonial.

sexta-feira, 11 de julho de 2008

Sucessão iminente gera crise na Arquidiocese

O Globo, domingo, 22 de junho de 2008

Paula Autran
Um barril de pólvora que descansava há sete anos na sede da Arquidiocese do Rio, na Glória, explodiu no último dia 12. Com a demissão, por telefone, de pelo menos 26 antigos funcionários — 17 deles da Pastoral do Menor —, foi pelos ares a aparente tranqüilidade que parecia reinar no Palácio São Joaquim, desde que o cardeal-arcebispo dom Eusébio Oscar Scheid substituiu o hoje arcebispo emérito do Rio, dom Eugenio Sales, em 2001.
As mudanças foram feitas após uma auditoria sigilosa encomendada à Fundação Getúlio Vargas — que sugeriu a reavaliação da estrutura e dos custos do serviço — e surpreendem porque aconteceram seis meses depois de dom Eusébio enviar sua renúncia ao Papa Bento XVI, no dia 8 de dezembro, quando completou 75 anos.
Dom Eusébio pediu ao Santo Padre para ficar no cargo até o fim do ano paulino, em 29 de junho de 2009. Mas seu futuro ainda é uma incógnita.
Segundo a ex-coordenadora técnica da Pastoral, Regina Leão, há 20 anos na função, o motivo alegado para as 17 demissões é uma suposta dívida de R$ 510 mil. Mas o montante seria fruto de problemas de documentação da Mitra:
— O que consumíamos, do telefone aos copinhos de café, nós bancávamos com o dinheiro de convênios que fechávamos com órgãos do governo do estado e da prefeitura, assim como com empresas. Fazíamos o trabalho com R$ 55 mil por mês. Mas há quatro anos passamos a ter problemas para fechar convênios, pois a documentação da Mitra não estava ok e não podíamos apresentar as certidões negativas necessárias.
De acordo com Padre Leandro, as atividades sociais da Arquidiocese do Rio continuam a todo vapor em áreas como saúde, educação, assistência social e geração de renda. Ele dá números de 2007: foram 2.987.320 atendimentos, em 251 paróquias, por 25.908 voluntários.
Ninguém ainda arrisca palpites sobre que nomes poderiam estar sendo cotados para o lugar de dom Eusébio, que não era o candidato preferido de dom Eugenio, nem foi o mais votado na consulta feita pela Nunciatura Apostólica.

São Paulo, finalmente, vira patrono da cidade de São Paulo

O Estado de S. Paulo, quarta-feira, 25 de junho de 2008

Rodrigo Brancatelli
São Paulo, a cidade, ganhou esse nome justamente porque sua fundação ocorreu na mesma data em que se comemora a conversão do apóstolo Paulo de Tarso. São Paulo, o apóstolo dos gentios, é considerado uma das figuras mais importantes no desenvolvimento do cristianismo. Mas lições de história e de religião à parte, o que poucos sabem é que o papel de patrono da cidade nunca coube ao santo, mas sim à pouco lembrada Santa Ana, a padroeira da terceira idade e protetora dos marceneiros.
Tamanha injustiça foi consertada agora no começo de junho, depois de um pedido pessoal do cardeal-arcebispo de São Paulo, d. Odilo Scherer, ao papa Bento XVI. Às vésperas do Ano Paulino, que terá início no sábado para comemorar os 2 mil anos de Paulo de Tarso, a Cúria finalmente nomeou São Paulo como padroeiro oficial da arquidiocese paulistana e patrono da capital. “Sejamos sinceros, poucos sabiam que Santa Ana era a nossa padroeira, até mesmo pessoas da Igreja não tinham esse conhecimento”, diz o padre Juarez Pedro de Castro, responsável pela comunicação da arquidiocese. “É como começar do zero, ninguém vai ficar bravo com essa mudança.”

Santa Sede da ultimátum a lefebvristas

ACI, martes, 24 de junio de 2008

Roma — Según informa el vaticanista Andrea Tornielli, quien afirma tener una copia de la carta original enviada por la Santa Sede en francés, el Vaticano propuso un ultimátum a la Fraternidad San Pío X, que preside el obispo cismático Bernard Fellay, y le habría puesto una fecha límite para que dé una respuesta.
Según indica Tornielli en su blog del diario italiano Il Giornale, en una carta firmada en su condición de Presidente de la Pontificia Comisión Ecclesia Dei, el Cardenal Darío Castrillón Hoyos presentó las condiciones del ultimátum que de ser aceptadas concluirían con la definitiva incorporación del grupo cismático a la Iglesia mediante la formula canónica de Prelatura personal, similar a la del Opus Dei, que le permitiría “seguir en su actividad de formar seminaristas y sacerdotes” y le daría autonomía para la celebración de la liturgia según el Motu Proprio Summorum Pontificum, es decir en latín y de acuerdo al Misal de 1962.
Tornielli explica que las cinco exigencias emanadas del encuentro del 4 de junio entre el Cardenal y el obispo excomulgado Bernard Fellay, líder de la Fraternidad San Pío X, son: “el compromiso a una respuesta proporcionada a la generosidad del Papa, el compromiso también para evitar cualquier intervención pública que no respete a la persona del Santo Padre y que pueda ser negativa para la caridad eclesial, el compromiso para evitar la premisa de un magisterio superior al del Santo Padre y de no proponer a la Fraternidad (San Pío X) en contraposición a la Iglesia; el compromiso por demostrar la voluntad de actuar honestamente en la plena caridad eclesial y en el respeto a la autoridad del Vicario de Cristo”.
Como quinto compromiso exigido por la Santa Sede, precisa el vaticanista, están también “respetar la fecha —fijada para 28 de junio, víspera de la Solemnidad de San Pedro y San Pablo, ‘el día del Papa’ e inicio del Año Paulino— para responder positivamente. Esta será una condición solicitada y necesaria como preparación inmediata para la adhesión para tener la plena comunión”.

Ornamentos y vestiduras antiguas del Papa subrayan continuidad en la liturgia

ACI, jueves, 26 de junio de 2008


Roma — El Maestro de las Celebraciones Litúrgicas del Sumo Pontífice, Mons. Guido Marini, explicó que los distintos ornamentos y vestiduras litúrgicas antiguos que utiliza el Papa Benedicto XVI “intentan subrayar la continuidad de la celebración litúrgica actual con la que ha caracterizado en el pasado la vida de la Iglesia. La hermenéutica de la continuidad es siempre un criterio exacto para leer el camino de la Iglesia en el tiempo. Esto vale también para la liturgia”.
En una entrevista realizada por Gianluca Biccini para L’Osservatore Romano, Mons. Marini señala que “como un Papa cita en sus documentos a los Pontífices que lo han precedido, para indicar la continuidad del Magisterio de la Iglesia, así en el ámbito litúrgico, un Papa usa también vestiduras litúrgicas y suplementos sacros de los Papas que lo han precedido para indicar la misma continuidad en la lex orandi”.
“Quisiera hacer notar que el Papa” Benedicto XVI “no usa siempre vestiduras litúrgicas antiguas. Con frecuencia usa las modernas. Lo importante no es tanto la antigüedad o la modernidad, sino la belleza y la dignidad, componentes importantes de toda celebración litúrgica”, precisó.
Al contestar la pregunta de Biccini sobre el hecho de que algunos acusan al Papa Benedicto XVI de imponer “modelos preconciliares”, Mons. Marini afirma que “términos como ‘preconciliar’ o ‘postconciliar’ utilizados por algunos pertenecen a un lenguaje actualmente superado y que, cuando usados con el intento de indicar una discontinuidad en el camino de la Iglesia, considero que son errados y típicos de visiones ideológicas muy reductivas”.
Asimismo, añadió que “existen cosas antiguas y cosas nuevas que pertenecen al tesoro de la Iglesia de siempre y que como tales son consideradas” y que “no todo lo que es nuevo es verdad, como tampoco lo es todo lo antiguo. La verdad atraviesa lo antiguo y lo nuevo y es a ella adonde debemos tender sin prejuicios”.
Al hablar luego del báculo dorado en forma de cruz griega que utiliza últimamente el Santo Padre, el sacerdote destacó que esta elección “no significa simplemente un retorno a lo antiguo, sino que es testimonio de un desarrollo en la continuidad, un enraizamiento en la tradición que consiente proceder ordenadamente en el camino de la historia” y resaltó además que “resulta más ligero y manejable”, un elemento de practicidad que no se debe dejar de tener en cuenta.
Seguidamente, al explicar los cambios en el palio que usará Benedicto XVI este 29 de junio cuando imponga esta misma vestidura a 41 arzobispos en la Basílica Vaticana, el presbítero indicó que “se trata del desarrollo de la forma del palio latino utilizado hasta Juan Pablo II”, que ahora tendrá forma circular cerrada, con dos capas que penden del medio del pecho y del dorso; y que será más ancho y más largo.
Para el Maestro de las Celebraciones Litúrgicas del Sumo Pontífice, “la Iglesia vive según la ley de la continuidad en virtud de la cual conoce un desarrollo enraizado en la tradición. Entonces lo que de verdad importa es que todo concurra para que la celebración litúrgica sea verdaderamente celebración del misterio sacro, del Señor crucificado y resucitado que se hace presente en su Iglesia reactualizando el misterio de la salvación y llamándonos, en la lógica de una auténtica y activa participación, a participar hasta las extremas consecuencias de su misma vida, que es vida del don de amor al Padre y a los hermanos, vida de santidad”.

Padre celebra missas e procura misses no interior paulista

Folha de S. Paulo, domingo, 6 de julho de 2008

Vinícius Queiroz Galvão
Votuporanga — Todos os dias, quando começa a missa na igreja de Santa Luzia, o padre Sílvio Roberto dos Santos dá início a uma atividade paralela. Com um olho no peixe e outro no gato, ele fica atento ao público. Não para saber quais fiéis seguem a liturgia, mas para praticar uma segunda vocação: a de olheiro de modelos. Além das missas, o padre também tem talento para produzir misses.
Da paróquia de Votuporanga, cidadezinha de 77 mil habitantes a 521 km de São Paulo, saíram vencedoras de concursos como Miss Brasil Internacional, Miss Brasil Mundo, Miss Beleza Brasil e várias edições do Miss São Paulo, todas descobertas pelo padre entre um pastel na quermesse ou uma partida de bingo no bazar beneficente das beatas da igreja.
Com a graça do padre, a cidade tornou-se a Venezuela brasileira dos concursos de beleza: a presença de candidatas locais nas seleções de misses é quase certa — e sempre temida.
A história do padre Sílvio com a passarela vem do próprio passado. Antes da ordenação, na década de 1970, ele foi modelo e cantor na Europa. E foi daí que surgiu o gosto assumido pelos palcos, mantido desde 1980, quando organizou o primeiro desfile.
E o padre não deixa as meninas ao deus-dará. Para não fazer feio ao desfilar por aí e para aquelas que não têm traquejo com o negócio, ele dá as dicas.
“O segredo é treinar essas meninas desde a infância: ensinar passarela, inglês, dança, [elas] têm de traquejar”, diz. “Tenho uma bagagem de miss, com alfinete, band-aid, fita crepe, despertador para acordar cedo e se produzir”, completa.
Atual Mister Brasil Mundo, Vinícius Ribeiro, 26, diz que foi o único a levar óleo corporal ao concurso, orientação do padre.
“Ele diz para eu mostrar segurança e dá muitos conselhos”, afirma Ariadne Mariotti, 18, primeiro lugar num concurso de beleza de Votuporanga na semana passada.
Num vídeo que circula pela internet, padre Sílvio ensina a parada na passarela (de lado, para não parecer gorda na foto), a boa postura (projetando o queixo para frente), como posar para os fotógrafos e para os jurados (com sorriso), a virada (olhando sempre para frente, mesmo depois de dar as costas) e o detalhe do pezinho (quebrando o corpo na planta do pé direito, com joelho flexionado).
A vocação do padre Sílvio Roberto de descobrir e agenciar misses e modelos no interior de São Paulo, diz o próprio, já foi questionada pela CNBB.
“Mas perceberam a boa intenção. Não faço da batina um meio para conseguir as coisas”, diz o padre.
Procurado pela Folha, dom Paulo Mendes Peixoto, bispo da diocese de São José do Rio Preto — a quem o padre Sílvio está subordinado — não se pronunciou “por estar há pouco tempo na região e não conhecer a fundo o trabalho com as modelos”.

Ressurreição a.C.

Folha de S. Paulo, terça-feira, 8 de julho de 2008

Ethan Bronner, The New York Times
Uma placa de pedra de cerca de um metro de altura, com 87 linhas escritas em hebraico, e que, segundo especialistas, dataria de algumas décadas antes do nascimento de Jesus está causando polêmica nos círculos de arqueologia bíblica porque mencionaria a chegada de um messias que ressuscitaria três dias depois de morto.
Se tal descrição messiânica estiver mesmo na placa, ela contribuirá de forma significativa para a reavaliação das visões popular e acadêmica de Jesus ao apontar que sua história de morte e ressurreição não seria única, mas sim parte de uma reconhecida tradição judaica da época.
Encontrada perto do Mar Morto, na Jordânia, de acordo com especialistas que a estudaram, a placa é um raro exemplo de pedra com inscrições em tinta desse período — uma espécie de Manuscrito do Mar Morto em pedra.
Está escrita, não entalhada, em duas colunas, similares às colunas da Torá. Mas a pedra está quebrada e parte do texto se apagou, o que dá espaço a interpretações sobre o que estaria realmente escrito.
Ainda assim sua autenticidade não foi questionada e, por isso, é significativo seu papel na compreensão das raízes do cristianismo em meio da devastadora crise política enfrentada pelos judeus naquela época.
Daniel Boyarin, professor de cultura do Talmude na Universidade da Califórnia, em Berkeley, afirma que a placa integra o crescente número de evidências que sugerem que Jesus pode ser mais bem compreendido por meio da compreensão da história judaica de sua época.
— Eu não tinha idéia do quão importante era até mostrá-la para Ada Yardeni, especialista em escrita hebraica.
Ela ficou impressionada: “Você tem um manuscrito do Mar Morto em pedra” — contou David Jeselsohn, o dono da pedra, ele mesmo um especialista em antigüidades.
Boa parte do texto se refere à visão do Apocalipse transmitida pelo anjo Gabriel no Antigo Testamento.
Yardeni e Binyamin Elitzur, outro especialista em escrita hebraica que também examinou a pedra, escreveram uma detalhada análise sobre a placa e concluíram que o texto datava do fim do primeiro século antes de Cristo. Professor de arqueologia da Universidade de Tel Aviv, Yuval Goren realizou uma análise química da pedra e garantiu que não há razão para duvidar de sua autenticidade.
Israel Knohl, professor de estudos bíblicos da Universidade Hebraica, antigo defensor da tese de que a idéia de um messias era anterior a Jesus, viu nos estudos sobre a pedra os indícios que faltavam para consolidar suas idéias. De acordo com as interpretações de Knohl, a figura messiânica citada na placa seria a de um homem chamado Simon, assassinado pelo exército de Herodes.
Os autores da inscrição na pedra seriam, provavelmente, seguidores de Simon.
Texto altera visões do cristianismo
O sacrifício de Simon é visto como um passo necessário para a salvação, diz o especialista, destacando as linhas 19, 20 e 21 do texto, segundo as quais “em três dias vocês verão que o mal será derrotado pela justiça”. A octogésima linha do texto começa com as palavras L’shloshet yamin, que significam “em três dias”. A palavra seguinte está parcialmente ilegível, mas Knohl sustenta que se trata de hayeh, o imperativo de viver.
— Tudo isso altera nossas visões básicas do cristianismo — afirma o pesquisador. — A ressurreição depois de três dias se torna uma idéia desenvolvida antes de Jesus, o que vai de encontro a praticamente toda a atual visão acadêmica. O que acontece no Novo Testamento foi adotado por Jesus e seus seguidores baseado numa história anterior de messias.